A Comissão Europeia apresentou hoje o oitavo relatório sobre os progressos alcançados rumo à criação de uma União da Segurança genuína e eficaz, instando a que se acelerem os trabalhos em curso no sentido de reforçar a segurança dos cidadãos da UE.

 

Tal como fora referido nas conclusões do Conselho Europeu de 22 e 23 de junho, os recentes ataques demonstraram mais uma vez a necessidade de intensificar os esforços conjuntos a nível da UE para combater eficazmente o terrorismo, o ódio e o extremismo violento. Neste contexto, a Comissão preconizou hoje medidas a tomar a nível da UE para combater a radicalização, o terrorismo, o crime e o seu financiamento, e para enfrentar as ciberameaças, além de apresentar relatórios sobre os próximos passos a dar no sentido da interoperabilidade dos sistemas de informação.

O primeiro vice-presidente da Comissão, Frans Timmermans, afirmou: «A Europa tem de enfrentar em conjunto os desafios de segurança e as ameaças terroristas, com novas medidas a nível da UE e a aceleração dos trabalhos em curso para proteger os nossos cidadãos. Com o apoio dos dirigentes nacionais, a Comissão apresentou hoje uma análise do que foi feito até à data, nomeadamente em matéria de luta contra a radicalização e o financiamento do terrorismo. Propusemos também medidas adicionais para manter a Europa segura, nomeadamente garantir que as bases de dados de segurança da UE funcionam melhor em conjunto e melhorar a capacidade de resposta a ciberataques.» 

Prevenir a radicalização através da Internet ou por outros meios

Um ano depois de apresentar um conjunto de medidas concretas para apoiar os Estados-Membros na luta contra a radicalização — a maioria das quais já está a ser aplicada — a Comissão apresentou hoje um conjunto de iniciativas adicionais ligadas, em especial, à utilização das comunicações digitais e ao regresso de combatentes terroristas estrangeiros. Mais informações aqui.